LABIRINTO?

Penso que o renascimento do Labirinto nos dias de hoje se deve aos benefícios para quem caminha e a simplicidade do desenho. Podemos riscar um labirinto na areia, com pedras, na grama, no concreto, em cerâmica ou mármore, pintar na lona, com 30cm ou 9 metros…

Labirintos podem ser usados por indivíduos, grupos, crianças, jovens, adultos e idosos. Sem orientação ou com ajuda de um facilitador e um programa. Caminhar no labirinto nos leva para dentro, para nosso centro, onde encontramos o eu verdadeiro, as respostas e  alivia a tensão emocional.

SERGIO BERNARDO

Duvidas: Conexão Skype

Livro digital sobre Labirintos –   Abrir pág. Os caminhos do Labirinto

——————————————————————————————-

A CHAVE É TRILHAR O LABIRINTO – 2012

Labyrinths and the Evolution of Consciousness

A presentation by Robert Ferré at the Labyrinth Conference in Baltimore, MD, Nov. 7, 2003, sponsored by the Labyrinth Society. This has been written after the fact. It is not a transcript, but a reconstruction from my outline. In a few cases, the materials were expanded to include points omitted from the talk due to time constraints. This full version is a few paragraphs longer.

 ….Igrejas e indivíduos estão redescobrindo os labirintos porque é lá que o mundo e o espírito se encontram e reestabelecem o equilíbrio.

 Veja o design do labirinto. Ele possui as linhas finas e caminhos largos. As linhas são os aspectos físicos. O uso mais apropriado do físico é apontar na direção do espiritual, seja pelo uso de símbolos ou organizando nossa experiência de alguma forma. O labirinto organiza a nossa experiência. Ele nos organiza de forma que caminhemos em uma certa geometria e alcance uma certa consciência. O propósito é ter uma experiência. Assim, as linhas são apenas guias, sinalizadores, enquanto o caminho representa a jornada. Este é o correto equilíbrio entre o material e o imaterial. As linhas são mínimas, suficiente para apontar o caminho, mas chamando pouca atenção ou importância para si. Labirintos como ferramentas de experiências existem pela caminhada, pelo caminho e não pelas linhas. O labirinto demonstra a proporção apropriada destes dois elementos.

A chave é trilhar os labirintos. É pelo uso que se ativa a ressonância (experiência interior) ao contrário de dissonância (experiências ligadas ao exterior). Só olhar sua bela forma não é o suficiente. É preciso caminhar 2 ou 4 vezes ao dia.

Por que há esta associação entre labirintos e evolução da consciência? Primeiro porque labirinto é um processo. Para se beneficiar de um labirinto é preciso interagir com ele. É preciso trilhá-lo seja com os pés, com os olhos, com os dedos, ou mesmo com a mente. O resultado desta integração é que o labirinto organiza e direciona sua experiência de forma que aumenta a evolução e expansão da consciência.

 Em segundo lugar, o labirinto é cumulativo. Cada passo é construído no passo anterior e te leva mais perto do centro. É preciso paciência, confiança, tenacidade e eventualmente resistência para trilhá-lo. Aquele que diz já trilhou uma vez, já conheço, nega a oportunidade de vivenciar experiências mais significativas.

 Terceiro lugar porque labirintos diminuem conflitos e dissonâncias. O que mais as pessoas relatam após a caminhada é de se sentirem mais calmas e equilibradas. Trata-se de mais do que equilíbrio dos dois hemisférios do cérebro, mas também das naturezas física e espiritual. Labirintobr.

———————————————————————————————–

LÚDICO:LIBERTADOR DE LABIRINTOS

MÔNICA TOUTIN

Há no mundo um incrível movimento de redescoberta da simbologia do Labirinto em países que possuem, em sua história, este traço cultural. Não só antigos labirintos tem sido alvo de pesquisas, mas também novos labirintos estão sendo construídos em hospitais, casas de repouso, spas, parques públicos, jardins privados, retiros, hotéis, centro de conferências, escolas, universidades, catedrais, shopping centers, etc. Os labirintos são considerados fonte de paz, tranquilidade, introspecção, caminho de reflexão e símbolo da trajetória individual.

Os benefícios do contato individual com os labirintos têm sido registrados como altamente benéficos. Educadores têm usado o labirinto como recurso pedagógico e tema transversal a ser trabalhado em diferentes disciplinas: Arte, Linguagem, Bem Estar e Movimento, Matemática, Geometria, História, Mitologia, Estudos Sociais. Sobretudo tem-se observado o beneficio que a criança obtém no campo afetivo ao conhecer este percurso. Neste sentido, o labirinto tem sido usado como instrumento de resolução de problemas e conflitos, na medida em que fornece uma percepção de que a vida é uma trajetória, a qual todos percorremos.

O Curso de Educação Lúdica do Instituto de Educação Vera Cruz (http://veracruz.edu.br/?frame=paginas.php&unidade=4) , coordenado pelos professores Adriana Friedmann e José Ricardo Grillo foi, na nossa experiência, uma oportunidade de reencontro com a própria essência, através de conteúdos vivenciais. É neste contexto que se inseriu o desenvolvimento da monografia “Lúdico: Libertador de Labirintos”. Para uma melhor compreensão deste trabalho alguns esclarecimentos se fazem necessário.

O QUE É LABIRINTO?

“In the labyrinth, one does not lose oneself

In a labyrinth, one finds oneself

In a labyrinth, one does not encounter the Minotaur

In a labyrinth, one encounters oneself”.

(do livro Through the Labyrinth de Hermann Kern)

“No labirinto, ninguém se perde, se encontra. No labirinto não se encontra o Minotauro, encontra-se a si mesmo” (Tradução livre).

Etimologicamente a palavra labirinto permanece inexplicada. O que se diz mais frequentemente é que labyrinthos significa “casa do machado de duas cabeças” e que a palavra está associada à “pedra”.

O Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa traz as seguintes definições para a palavra Labirinto:

1. “Vasta construção onde uma rede de salas e galerias, subterrâneas ou à superfície, se entrecruzam de tal maneira que se torna difícil encontrar a saída”.

2. “Estrutura, conjunto que forma uma complicada rede de elementos (aléias de jardins, traçado de ruas, caminhos, corredores, etc) em meio aos quais é possível perder-se; Dédalo.

3. “Coisa muito enredada; complicação inextricável; emaranhado, imbróglio, Dédalo.

Contudo, há outro sentido para a palavra, anterior a esta origem literária de “confusão”.

Hermann Kern (1941 – 1985), estudioso alemão, é considerado autor do livro mais completo sobre Labirintos, Throuh the Labyrinths, traduzido para o Inglês em 2000. Segundo o autor, o labirinto seria uma ferramenta para transformação espiritual, psicológica e pessoal. O autor afirma ainda, que labirintos têm sido usados no mundo todo como um meio de aquietar a mente, encontrar o equilíbrio, estimular a meditação, a inspiração e as celebrações. Trata-se de um símbolo antigo que representa totalidade. O labirinto combina a imagem do círculo e a espiral num caminho de movimento sinuoso, mas significativo que vai da periferia ao centro e volta para fora. O labirinto tem apenas um caminho. O caminho para dentro é o caminho para fora. Em sua concepção mais básica, refere-se a uma metáfora para a jornada ao centro do eu mais profundo e de volta ao mundo com uma compreensão expandida de quem somos.

Jeff Saward, estudioso inglês, também considerado uma autoridade no tema dos labirintos, acredita ocorrer atualmente um renascimento do labirinto como ferramenta espiritual, de recreação e recurso anti-stress.

O minucioso estudo de Kern revela que o labirinto tem sido um símbolo da civilização com mais de 4.500 anos de história. Contudo, ele não se constitui apenas de um símbolo do passado, mas um símbolo que continua tendo significado nos dias atuais e está presente na mitologia, na história, na literatura, no cinema, na música, nas artes plásticas, na arquitetura, nas brincadeiras infantis, jogos, etc.

O conceito de labirinto segundo Kern manifesta-se de três formas:

1. Como um padrão de movimento (dança)

2. Como uma figura gráfica (desenho)

3. Como tema literário (maze)

Acredita-se que a manifestação original do labirinto tenha sido a dança, sendo o movimento corporal a forma de expressão mais direta e primária, o que se comprova pela Antropologia, pela Etnologia e pela simples observação de nossas crianças. A partir desta manifestação teriam surgido, então, as expressões gráfica e literária.

Desenhos de labirintos foram encontrados em moedas, rochas, tecidos, cerâmicas, cestos, gravados em cavernas, potes; impresso em manuscritos.

Os componentes básicos para a construção de um labirinto são:

- uma cruz central

- quatro pontos alinhados de forma quadricular

- quatro ângulos retos

Sua forma de construção nos faz concluir que um quadrado é claramente transformado em círculo. O quadrado e o círculo representam duas visões de mundo básicos, o que indica que o labirinto é uma figura orientacional, quintessencial. Baseado na interpretação do círculo como símbolo dos céus (e do caminho do sol) e o quadrado como símbolo da terra, conclui-se que a quadratura do círculo ou a abóboda sobre o quadrado,

LABIRINTOS E DÉDALOS

Kern verificou que Labirintos e dédalos são normalmente confundidos, apesar de serem bem diferentes. Um Dédalo é como um quebra-cabeça que requer solução. Este possui voltas, mudanças bruscas e becos sem saída. Trata-se de uma tarefa de desafio, ligada ao lado esquerdo do cérebro, que envolve lógica e análise para encontrar a passagem correta para entrar e para sair. Um dédalo requer mais escolhas e um cérebro mais ativo.

Por outro lado, o labirinto está ligado ao lado direito do cérebro. Requer uma mente mais passiva e receptiva. Envolve criatividade, imaginação e intuição. A única escolha que requer é entrar ou não no labirinto e trilhar uma jornada.

Através deste estudo podemos observar que o termo dédalo (maze) tem sido comumente usado como uma metáfora, referindo-se a uma situação confusa, difícil e obscura. Este sentido figurativo da palavra apareceu no século III. Naquela época surgiram muitos escritos cujo tema literário baseava-se nesta noção particular de labirinto. Mas, o que era uma mera construção literária acabou ofuscando o termo em seu sentido mais verdadeiro e simples. De fato, estas duas noções distintas se misturaram resultando numa confusão terminológica.

A característica mais importante do labirinto não são as linhas que formam as paredes, mas o espaço negativo do caminho formado pelas linhas que determinarão o padrão do movimento:

1. O caminho não é interceptado (não há escolhas)

2. O caminho de ida é o mesmo caminho de volta, mudando de direção continuamente.

3. O caminho preenche todo o espaço interior em forma de circuito.

4. O caminho leva o visitante a passar pelo centro repetidamente.

5. O caminho termina inevitavelmente no centro.

6. É o único caminho de volta para a entrada.

Por que caminhar?

“Não há caminhos para a paz, a paz é o caminho” Ghandi

“O real não está na saída, nem na chegada: ele se dispõe para a gente é no meio da travessia” Guimarães Rosa

 Helen Raphael Sands, professora e poeta, trabalha hoje em dia na Inglaterra como professora de pessoas com necessidades especiais. Em seu livro: Labirinto – Caminho para Meditação e Cura, relata os benefícios de se caminhar pelo labirinto:   “O labirinto é como um grande amplificador que atua sobre setores de nossas vidas que costumam estar inconscientes, fazendo-os vir à tona; assim, caminhar por um labirinto pode trazer revelações únicas, de grande intensidade e valor. Caminhar por um labirinto equivale a olhar para dentro de si”.

Os labirintos foram feitos para caminhar por muitas razões, podendo ajudar o indivíduo a olhar profundamente em si mesmo e perceber-se, ampliando a consciência de si. É um lugar para celebrar a vida, instrumento para trazer um momento de paz ou um ritual de saudações. A caminhada do labirinto pode se tornar um mestre da vida ou uma visão de onde cada um se encontra naquele processo. É também instrumento de oração. É um ato que demanda ação, que acalma e suaviza momentos de crises e transições. Caminhar pelo labirinto ajuda a perceber a vida num contexto de caminho, uma peregrinação. Esclarece que não somos seres humanos num caminho espiritual, mas seres espirituais num caminho humano. A caminhada pode consolar àqueles que passam por grandes sofrimentos, aliviando o coração dolorido e a exaustão da alma. A caminhada pelo labirinto nos ajuda a estar atentos, a escutar o coração e aprender a estar presente no momento; aquietar o murmúrio da mente, o tempo suficiente para perceber o que a nossa essência tenta nos dizer. Enfim, caminhar pelo labirinto, é caminhar ao encontro da própria essência.

FIM

Hospital Pirajussara SP. Dr. Afonso Carlos Neves

Etapas da Meditação Caminhando no Labirinto

As diversas formas de meditação têm em comum a possibilidade de promover um grau variável de relaxamento, variabilidade essa muitas vezes dependente mais de certas condições individuais próprias de cada pessoa, do que necessariamente em relação às características do método de meditação.

Nos dias de hoje, em que neste momento do século XXI se fazem presentes muitas incertezas quanto ao presente e ao futuro, a capacidade de relaxamento das pessoas pode ser mais difícil, na vigência de preocupações, ao mesmo tempo em que se faz mais necessária.

O relaxamento é um primeiro passo para a meditação. Além do relaxamento, outros processos introspectivos também podem ocorrer.

O relaxamento tem uma face exterior e uma face interior. Músculos, cérebro e mente trabalham juntos no relaxamento.

O labirinto pode ser um meio facilitador do relaxamento que permita a introspecção própria do estado meditativo, na medida em que condiciona movimentos sucessivos em uma caminhada simbólica.

Mesmo a pessoa que ache difícil meditar pode vir a beneficiar-se do relaxamento decorrente do exercício próprio de atravessar o percurso labiríntico.

O relaxamento, aliado ao deixar-se perceber dos símbolos e estímulos cognitivos ao redor, pode ser uma porta para a próxima etapa que implica em certo estado meditativo que implica em um vôo livre da memória que parece despertar sensações e marcas esquecidas, as quais adquirem um valor positivo no processo introspectivo. Em geral são “boas memórias” que foram esquecidas. São memórias que permitem à pessoa “se redescobrir” em aspectos de si mesmo que foram deixados para trás, na medida em que a vida tomou determinados rumos.

Dr. AFONSO C. NEVES – Unifesp – EPM

Veja o blog: http://meditar-labirinto.blogspot.com

Labirinto de pedra em comunidade

WELCOME TO CENTRAL PARK LABYRINTH

Discover this wonderful oasis for your mind, body and soul in the heart of Burlington. It is one of the first labyrinths in a public space and is one of the first wheelchair accessible labyrinths in all of Canada.

Why a Labyrinth?

The labyrinth is an ancient symbol for healing and a path to renewing the body-mind-spirit connection, which dates back more than 3000 years. Labyrinths of pre-Christian Knossos and Egypt were followed by labyrinths in European cathedrals. The best-known labyrinth is an eleven-circuit design dating back to the 13th century, and is laid on the floor of Chartres Cathedral in France. Burlington’s Central Park Labyrinth is modeled after this one.

Ancient and modern labyrinths can be found in many areas of the world, including France, England, Sweden, India, Peru and the American southwest. In the last decade, North Americans have rediscovered the labyrinth as a tool for well-being and they have since been installed in: Hospitals, schools, churches and even individual residences.

Benefits of a Labyrinth

Research conducted by Dr. Herbert Benson at Harvard Medical School’s Mind/Body Medical Institute has found that focused walking meditations are highly effective at reducing anxiety and eliciting what Dr. Benson refers to as the relaxation response.

Regularly eliciting the relaxation response can result in:

Lowering blood pressure

Lowering breathing rates

Reducing incidents of chronic pain

Reducing insomnia and

Improving fertility

People walk labyrinths to celebrate, to grieve, to slow down, to seek insight, to find stillness and compassion and for health benefits.      http://cms.burlington.ca/Page2478.aspx

 

5 respostas para LABIRINTO?

  1. Eliane disse:

    gostaria de saber onde posso encontrar esta lona do labirinto,semelhante ao do Hospital Pirajussara e onde fazer treinamento para o uso deste labirinto

    • labirintobr disse:

      Esse labirinto você não encontra pronto, fazemos por encomenda. O treinamento preciso de algumas informações, vou mandar um email, ainda hoje. Bernardo.

  2. Cris disse:

    É lindo este trabalho! E v. sabia que existe rendeiras que fazem um trabalho que se chama labirnto, com tecido. São as labirinteiras do Rio Grande do Norte. Vale a pena incluir no seu trabalho e biografia.
    Tem também as mandalas de Jung, que também são caminhos para dentro de si…
    Um abraço, Cris

    • labirintobr disse:

      Oi Cris, grato por seu contato. Você pode participar do nosso projeto, se tiver material sobre as mandals de Jung, eu publico nessa pagina.
      Sérgio

  3. Andréa disse:

    Olá Sérgio,
    sou estudante de arquitetura e estou elaborando meu projeto final: um crematório para a cidade onde moro, em Brasília, e estou propondo uma grande área para um labirinto tendo em vista as melhorias que ele pode proporcionar para as pessoas que o usam, procurando relaxar, fazer essa meditação em movimento e abstrair um pouco da dor e voltar a procurar o eu interno de cada um, valorizando a vida no presente, no agora. Andei olhando o site e gostaria de saber se você teria alguma referência de livros ou links para que eu possa desenvolver um exclusivo para o terreno.
    A idéia é que ele esteja situado numa curva de nível onde os visitantes do crematório possam observar as pessoas “se achando” no labirinto, as vendo de cima. Estava pensando em uma forma mais orgânica e com circulos.. você teria algo para sugerir ou acrescentar à minha pesquisa?
    Se precisar de mais informações pode entrar em contato comigo por email

    Muito obrigada, aguardo resposta o quanto antes possível!
    Andréa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s